Av. Dr. Vítor Godinho, 191 Vila Capivari - Campos do Jordão / SP
(12) 3663-6550

Vinhos reserva, reservado ou gran reserva: você sabe a diferença?

O consumo de vinhos tem crescido de forma acelerada no Brasil, segundo mostram algumas pesquisas. E junto a isso o interesse por desvendar o mundo da enologia. Uma das dúvidas mais frequentes das pessoas é sobre a diferença entre os vinhos reserva, gran reserva e reservado.

Com certeza, um apreciador de vinho, mesmo iniciante, já se deparou com rótulos com essas denominações e, por serem tão parecidas, causam dúvidas na hora da escolha.

Preparamos esse artigo para você conhecer melhor essas características e ficar ainda mais confortável na hora de fazer o pedido de um bom vinho. Grande parte do charme dessa bebida está no ritual que envolve desde a seleção até a degustação.

Por isso, fazer boas escolhas pode ser o início de uma grande harmonização. Vamos saber mais?

O que é um bom vinho?

Essa não é uma pergunta fácil nem existe uma resposta apenas. De forma geral, podemos dizer que o melhor é aquele que proporciona prazer na degustação e deixa boas lembranças. Mas, se quisermos garantir uma experiência rica e inesquecível, seria bom considerar a ocasião, o tipo de uva, a região de origem e conhecer suas próprias preferências.

Cada um desses fatores pode modificar o paladar e a nossa percepção do quanto agradável será o vinho. À medida que vamos nos tornando mais conhecedores, a distinção acontece de forma natural e encontramos cada vez mais prazer.

Mas ainda há outra característica que estampa os rótulos e pode causar confusão na hora da escolha. Muitas garrafas contêm a designação: reserva, reservado e gran reserva. Qual a real diferença entre esses três nomes? Vamos explicar a seguir.

Vinho Reserva

É difícil a definição de vinho reserva porque não existe uma legislação específica que determine o que significa a reserva. Apenas na Espanha e na Itália há normas que indicam que a bebida deve passar um a dois anos em barris de carvalho. Fora desses dois países, a denominação varia bastante.

Mas, de uma forma geral, podemos dizer que o vinho reserva é de uma qualidade superior, já que existe um cuidado maior que vai da plantação à vinificação. Quase sempre, o termo refere-se ao tempo que o vinho passa amadurecendo em barris de carvalho e envelhecendo na garrafa.

Esse processo e o tempo gasto no amadurecimento e envelhecimento vão se traduzir em menos acidez e mais aroma, sabor e presença de taninos.

Vinho Gran Reserva

Aqui, estamos falando de uma qualidade ainda maior. O termo também não é fixo e muitas vinícolas podem usar expressões como reserva privada ou reserva especial.

O que o diferencia, para além do vinho reserva, é o tempo ainda maior de amadurecimento em barris de carvalho e envelhecimento para quer as propriedades da bebida sejam mais acentuadas.

Muitas vinícolas usam o termo reserva especial quando oferecem uma edição limitada, de uma safra especial.

Vinho Reservado

Nesse caso, estamos diante de um pequeno truque do mercado. O termo reservado não tem nenhum significado em especial e pode ser usado livremente pelos produtores, em especial os da América Latina.

Geralmente, são vinhos produzidos em larga escala, de extensos vinhedos e sem tempo de amadurecimento e envelhecimento, portanto não são vinhos de guarda e devem ser consumidos rapidamente. Com baixa complexidade de sabor e aromas, é um vinho simples, para ser consumido no dia a dia, sem muitas expectativas.

Claro que cada uma dessas denominações aponta para uma experiência de consumo diferente e conhecer o significado dos termos reserva, gran reserva e reservado facilita a escolha e orienta nossa degustação.

Porém, ressaltamos que o mais importante é aproveitar o prazer de um bom vinho harmonizando com uma comida de excelência para momentos memoráveis. E para isso não precisamos nos apegar a rótulos.

Siga o Confraria do Sabor no Instagram para conhecer as delícias da nossa cozinha. Até a próxima.

Leave a comment